8 de janeiro de 2018

Estúpido Cupido

Eu devo ter nascido desfrutável na outra vida
Mulher perversa, ardilosa, maligna
Sedutora, vingativa, Iara, Medusa, Medea
Hera, Eco, Iansã, volúvel, Dalila

Ninguém vê que perverso mesmo é Cupido
Atirando suas flechas cegas e errantes
Fazendo eu amar você, que ama outrém, que não liga
E assim segue a dança de vasos comunicantes

Num tiro reverso, ainda te acerto, Cupido
Vais deixar de armar tuas ciladas ardilosas
Compelindo almas inocentes às humilhações do amor
Amor não correspondido machuca, nem sempre tem tom de rosa.

Confissões

Ele escreveu uma carta pra ela:
"Eu penso que tua arrogância só não é maior que tua indiferença, Ana Clara. Quem me julga por ter te deixado, não sabe o bicho arredio que tu és! Doze anos casados, te escondias nas noites pra escrever tuas lamúrias, tem poema pra amigo de infância, inimiga da escola, cachorro, família, objetos inanimados, paisagens, até pro teu ex tem uma ode! Eu que fui teu marido, não encontrei sequer um rima dedicada pra mim nesse acervo. Tu é uma filha da puta, Ana Clara! Quero que queime no fogo do inferno, tu e teus textos idiotas! Azeda! Insuportável!"
Ela respondeu:
"Querido, quem é tu no oceano da minha alma? Tu não vale nem uma nota de rodapé."

Amarguras de algodão

De que te adianta
Lábios doces de mel
Olhos da cor do céu
Se tua boca só cospe fel

Mas é que a moça teve o coração repicado como um papel
Hoje esconde a tristeza por debaixo do véu
Eu te entendo, criança, o mundo é um lugar cruel
Entrega tua dor embora, que vou te pintar a felicidade com um pincel

Abre as janelas da tua alma...

10 de outubro de 2017

Gozo

Ah, se você soubesse
Quando não vem, meu dia arrefece
Mais um dia nublado amanhece
Café fica amargo, nada me aquece
Cama arrumada, não tem nossa bagunça
Corpo sem marcas, cicatrizes de amor
A vida fica sem graça, perde o fulgor
Mas se você diz que vem
É festa, alento, calor
Vem que eu anseio
Me perco em devaneios
Felicidade é eu e você
Juntos até o amanhecer.

25 de julho de 2017

Corazón Savage

Como faço pra prender teu espírito arredio
Sossegar teu coração cansado
Aquietar tua alma no espaço do meu abraço
Deixar pra trás as angústias do teu passado?

Não te afoga nessa solidão e tormentos
Te abre para um novo sentimento
Não precisa fugir, fingir, esquecer
As fugas do amor te limitam viver

Baby, estamos juntos na nova era
Sem pecados, vaidades ou egos
A gente pode se amar sem medo
Só me diz em qual esquina te pego


- e nos amamos.

Diabos da vida

Teu nome ( _ _ _ _ _ _ _ )
Rima com entulho
Que é o que você fez comigo
Entrou na minha vida
Só fez barulho
No meu coração, esbulho

Eu só queria paz
Você trouxe inferno
E uma rima tenaz

Me cativou sem querer
Acorrentou sem saber
Eu tento sair
Mas não consigo esconder:

- Só penso em você...

Disperso

Baby, quando você vai chegar pra me dizer
Que não era tua intenção desaparecer
Tava ocupado, sem tempo, ou outra desculpa blasé
Mas jamais deixou de me amar e me querer
Nem por um segundo, em nenhum entardecer
Meu coração é tolo, acredita no que bem entender
Nem ligo, te perdoo, minha alma só quer saber de você.

25 de junho de 2017

Míngua

Enquanto a lua cheia escancara
A lua minguante, esquecida de todos
Acoberta os ternos (e escondidos) amantes.

Quem te venera
É quem ama clandestinamente...

Tatuagem

Fotos tuas que eu não consigo apagar
Beijos apaixonados impossíveis de esquecer
Uma necessidade de ti que não se faz explicar
Essas tuas ausências infinitas só me fazem sofrer

Se eu tatuar teu nome no meu corpo
Você volta pra minha vida?

23 de maio de 2017

Ruínas

É triste pensar que você se foi
Como o vento que passa
O minuano que rasga
A torrente que devasta
Sem deixar rastro
Apenas lembranças
Que se tornam vagas
Pois o tempo é um algoz
Impiedoso
Inexorável
Carrega para as brumas do esquecimento
Amores, carícias e alentos.